top of page

COISAS ALEATÓRIAS SOBRE MIM

    Nasci em 1974 num 11 de setembro, na montanhosa Teresópolis, no Rio de Janeiro. Faz 20 anos que não gosto de festejar, mas celebro a vida diariamente

    Minha mãe é Argentina, meu pai mineiro e eles se conheceram quando numa viagem para o Rio ela estava pedindo carona e ele parou. Foi amor à primeira vista. Papi é dez anos mais velho que mami.  E eles são os primeiros amores da minha vida.

    Uma vez por ano meus pais juntavam os quatro filhos, três meninas (sou a do meio) e um menino, e rodavam o país ou o continente.  Aprendemos a ser melhores amigos e cidadãos do mundo. Foi uma década acampando, até que eles compraram um apartamento de frente para a praia em Arraial do Cabo. 

    Não como carne peixe ou ovo. Amo pizza, empanadas, salada e vinho! 

    Aos 15 anos morei num trailer em Dodge City, KS. Me formei no secundário e meu currículo incluiu moda, artes e oratória. Aprendi muito morando com eles e acho que os Estados Unidos são realmente uma grande nação.

    A generosidade dos meus "pais" americanos me inspira até hoje. 

Tenho muito medo de barata e de altura.

    Não gosto de preguiça nem dessa de fazer o necessário. A vida de adulto é dura, dá trabalho, mas quanto mais duro trabalhamos melhor o resultado.

    Comecei a namorar meu marido em Arraial do Cabo. Larguei a faculdade de Artes Plásticas para morar com ele. Nos mudamos de estado, construímos uma indústria e trabalhamos juntos por 28 anos. Este ano vou me aposentar e dedicar meu tempo à arte!

    Lugares onde quero morar: Mendoza ou Buenos Aires na Argentina, qualquer cidade da Toscana na Itália, Cascais em Portugal e Colorado Springs nos EUA. 

    Posso assistir Girlmore Girls uma vez por ano, filmes pré anos 2000 são os melhores, The Doors é minha banda do coração, minha playlist vai de Beethoven à Zeca Pagodinho. Se sai um livro novo da Isabel Allende eu compro, ando encantada com Jordan Peterson e Tolstoi está sempre na minha cabeceira (mas nunca li Guerra e Paz). Tenho poemas espalhados pela casa. 

    Enquanto o mundo se preocupava com a chegada da pandemia eu começava a enfrentar a menopausa. Virou meu principal assunto. Coitados dos que convivem comigo!

    Quando espirro digo saúde, obrigada e de nada para mim mesma

    Meu artista preferido: Klimt 

Adoro o trabalho da Beatriz Milhazes e da Isabelle Tuchband. Não gosto de Frida Kahlo e da fase cubista do Picasso (what?!)

    Em 2001 fomos (eu e meu marido) assaltados e o bandido colocou a arma na minha cabeça, até hoje sinto o peso do cano. Dizem que ao se deparar com a morte assistimos a tudo o que vivemos, como num filme, isso não aconteceu. Mas a partir desse momento comecei a acompanhar minha vida como episódios de um seriado. 

Sou Flamengo e Zico é rei!

    Faxinar, arrumar armários, organizar a casa e documentos, mudar móveis de lugar: é assim que cuido da minha cabeça. Acredito em cuidar de fora pra dentro.  E vivo maquinando obras na minha casa. 

    Beleza é fundamental, limpeza também. Você conhece uma pessoa de fora para dentro. Passa por uma casa com um jardim florido e pensa: gostaria de conhecer quem mora aí. Está numa fila ao lado de alguém cheiroso, com um sapato lustrado e uma bolsa linda e já quer saber quem é.

    Sou introspectiva. Gosto de gente, amo conversar, mas preciso de muito tempo sozinha.

    É muito difícil eu não gostar de alguém. Tenho poucos e bons amigos, minhas melhores conversas são com meus pais e irmãos e no topo da pirâmide estão meus filhos, a razão do meu viver! 

Desligo meu celular as 19h

Prefiro os dias nubladados

SOBRE A MINHA ARTE

         

         Meu trabalho é feminino, colorido e ligada a natureza.

         Enxergo a arte como uma maneira de trazer beleza, transformar um ambiente e atravessar gerações.

         Nas telas misturo acrílica, óleo, lápis de cor e o que mais estiver à mão e me inspirar. Gosto de ver como os diferentes meios interagem e surpreendem.

         No papel uso a aquarela e o gouache para retratar meu mundo de fantasia, flores e moças que surgem na minha mente e pulam para ganhar vida no papel.

         Uma paixão de adolescência é o papel machê, a possibilidade de transformar o lixo em arte é puro poder! De uma caixa de papelão ou um folheto recebido no sinal posso fazer surgir uma escultura, um objeto de decoração e até um pequeno tesouro, algo com significado que vai ser guardado para o resto da vida.   

          Minha mais recente descoberta foi a costura e o patchwork, mais uma arte feminina. E da vontade de fazer moldes e um livro veio também a arte digital. Hoje divido minha criatividade entre telas, papel, tecidos e computador

           Estou sempre curiosa, experimentando e inventando. Gosto de fazer, de estar em contato com os mais variados materiais e de participar de todo o processo. 

          Gosto do belo, do estético, dos significados. 

          Fico com Oscar Wilde que disse "Toda arte é inútil, sua única serventia é a beleza", a arte está acima da utilidade e aí lembro do que dizia Ferreira Gullar: "A arte existe porque a vida não basta." 

          Arte é meditação, arte é beleza e arte salva!

    

           

nanda_Prancheta 1.jpg

Site criado, ilustrado e cuidado por Nanda Watts

bottom of page